Notícias
► 10/jul/2019  |  Redação

Aplicações ‘revolucionárias’ do 5G só devem chegar ao Brasil a partir de 2023

inda que iniciando um novo ciclo para as operadoras de telecomunicações nacionais, a alocação de espectro 5G prevista para o começo de 2020 só deve resultar na chegada de serviços de quinta geração “revolucionários” ao País a partir de 2023. Essa é a avaliação da consultoria Ovum, que prevê um compasso “evolucionário” para a tecnologia a partir do ano que vem.

“No Brasil, o 5G vai começar de maneira evolucionária. Primeiro, com uma banda larga móvel mais rápida e com o acesso fixo-móvel (FWA), começando por alguns setores [nobres de grandes cidades]. Já os casos de uso mais revolucionários como network slicing e ultra baixa latência devem demorar de três ou quatro anos a partir de 2020”, afirmou o analista principal da Ovum na América Latina, Ari Lopes. Entre os serviços que dependem da baixíssima latência estão a conectividade 5G em missões críticas e também algumas aplicações voltadas para o consumidor final, como o cloud gaming.

Confira mais informações!



João Moura, da TelComp, fala sobre competição nas telecomunicações

João Moura falou sobre o aumento da competição no mercado brasileiro de telecomunicações, em entrevista a Renato Cruz, editor do inova.jor.

TelComp - Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas
Av. Iraí, 438 - cj 44 a 47 | Moema | São Paulo | SP | CEP 04082-001 | Tel +55 (11) 5533-8399