Notícias
► 10/abr/2019  |  Redação

PGMU terá mudanças, com exclusão de metas de 4G

A Anatel enviou ao Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) uma sugestão de alteração do Plano Geral de Metas de Universalização (PGMU) para o período 2016-2020, cujo decreto foi publicado no final do governo passado. Segundo fontes do ministério, a proposta é refazer parte do PGMU, sem as metas de atendimento com redes LTE em localidades desassistidas. A ideia seria deixar esse tipo de meta para as licitações de espectro em 2020, até para evitar misturar as obrigações das concessionárias com um serviço prestado em regime privado. O ajuste no PGMU buscaria focar os investimentos das sobras decorrentes da flexibilização das metas de universalização em redes de transporte em regiões sem cobertura de fibra, especialmente a Região Norte, em linha com o Plano Estrutural de Redes de Telecomunicações (PERT). A sugestão da Anatel teria sido bem recebida pelos técnicas do MCTIC, e um novo texto já estaria sendo estudado pelo ministério. As metas de 4G foram acrescentadas no PGMU pelo MCTIC no governo Temer, como uma opção política do ex-ministro Gilberto Kassab por conta da grande quantidade de localidades contempladas (mais de 1,4 mil). Técnicos da Anatel nunca viram com bons olhos a decisão, justamente pela mistura de metas aplicáveis ao STFC com uma cobertura proporcionada por redes móveis. Temiam que o modelo do MCTIC tornasse mais complexa a resolução do emaranhado jurídico-regulatório que precisará ser desembaraçado com a aproximação do final das concessões em 2025



João Moura, da TelComp, fala sobre competição nas telecomunicações

João Moura falou sobre o aumento da competição no mercado brasileiro de telecomunicações, em entrevista a Renato Cruz, editor do inova.jor.

TelComp - Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas
Av. Iraí, 438 - cj 44 a 47 | Moema | São Paulo | SP | CEP 04082-001 | Tel +55 (11) 5533-8399